Geral

Workshop destaca orgânicos, segurança e redução de sódio

Especialistas debatem tendências na Jornada Técnica do Setor Alimentício 2018

Créditos: Julian Kober
- Lidiane Mallmann

Lajeado - A Jornada Técnica do Setor Alimentício 2018 - AlimentaAçãoRS - centraliza, desde segunda-feira, no Weiand Hotel, os debates sobre um dos principais setores da economia do Vale. Ontem, o segundo dia do XVII Workshop em Alimentos foi de muito aprendizado, interação e conhecimento. A programação de ontem contou com seis palestras, prestigiadas por cerca de 140 pessoas, sobre produtos que garantam a higiene dos alimentos, novas opções em sabores e aromas, as alternativas para redução do sódio, o potencial dos orgânicos, entre outros assuntos. O Seminário de Carnes e o Meeting Empresarial encerram hoje o evento promovido pela Associação Comercial e Industrial de Lajeado (Acil), Grupo Técnico em Alimentos (GTA) e Agea Marketing.

Projetos e equipamentos sanitários

Marcelo Tumelero, da Águia Inox, abriu o ciclo de palestras destacando a importância de projetos e equipamentos sanitários adequados. O objetivo principal é evitar a contaminação dos alimentos, a qual pode acontecer nos pontos de estocagem, esteiras e através dos transportadores. "É fundamental não deixar que ocorram pontos de corrosão, amassamentos ou trincas, para não ter acúmulo de material e consequente dificuldade de limpeza."

Sabores e emoções

Engenharia de Alimentos, Giovanna Palosin abordou o tema Sabores e Emoções, instigando a uma reflexão sobre quem é o consumidor, o que ele espera e como essa informação pode ser um diferencial para marcas e mercados. Segundo ela, o ser humano possui uma memória sensorial que permite relacionar aromas e fragrâncias a lembranças e, por isso, a alimentação está tão relacionada a questões sentimentais. Assim, os alimentos consumidos dizem muito sobre a pessoa e representam sua identidade, crenças e convicções, fato que justifica o desafio da indústria em entregar prazer, saúde e emoção. "Esse é o grande diferencial: se a gente conseguir se conectar com os consumidores muito além de um sabor, vamos conseguir deixá-los muito mais satisfeitos com o nosso produto."

Redução de sódio

Promover saúde, salvar vidas e praticar a responsabilidade social justificam a redução de sódio nos alimentos, como ressaltou o engenheiro de Alimentos Vinícius Uehara. Causador de doenças cardiovasculares, o consumo excessivo tem sido uma preocupação global e para preservar a saúde e o bem-estar, governo e empresas têm desenvolvido ações que estimulam hábitos mais corretos de vida. Segundo Uehara, é essencial que a indústria alimentícia também contribua, substituindo-o por outros ingredientes, como sal micronizado, extratos de leveduras e cloreto de potássio. "Pode ter certeza que é interessante testar todas as alternativas porque cada uma funciona melhor em determinada aplicação."

Gestão e segurança

Com formação em química, engenharia de alimentos, administração e gestão da qualidade, Míriam Hermann, abordou a gestão e a segurança dos alimentos. destacou modelos de gestão e requisitos relacionados a legislações e normas. Para ela, as organizações ainda possuem muitas lacunas na interpretação das leis e na compreensão de como envolver as pessoas. "Por mais que a legislação esteja disponível, a gente ainda precisa do ser humano para capacitar, interpretar e principalmente implementar." Citando o passo a passo para implantação de um sistema de gestão, ela salientou a importância da qualidade, confiabilidade e melhoria contínua, especialmente na área de alimentos: "Isso não é uma sugestão. É uma obrigação".

Leguminosas

Diante das demandas do mercado por produtos mais naturais, sustentáveis e com elevado valor nutricional, a engenheira de alimentos Carolina Melo discorreu sobre produtos com proteínas vegetais e o poder das leguminosas, salientando o portfólio da Ingredion. Enfatizando o potencial do mercado, ela mencionou soluções enriquecidas com proteínas e fibras de diferentes bases leguminosas, como ervilha, grão de bico e feijão. "Este mercado não atende apenas os consumidores vegetarianos, mas também aqueles que buscam reduzir o consumo de ingredientes à base de carne, alergênicos, ovo, leite ou farinha. E as leguminosas viabilizam isso, pois contam com produtos e ingredientes que possuem um alto teor nutricional, com proteína, fibra e baixa quantidade de gordura." A profissional ainda lembrou que, além de saúde, os consumidores se preocupam também com questões que impactam no meio ambiente, como emissão de carbono, impacto no efeito estufa e gasto de energia na produção.

Orgânicos

Coube ao engenheiro agrônomo da Emater, Lauro Edilson Bernardi, encerrar o workshop, abordando os alimentos orgânicos e as tendências desse mercado. Apontou que cerca de 15% da população brasileira consome orgânicos atualmente e antecipou que há um espaço enorme para o empreendedor desse setor no Vale do Taquari. Ao afirmar que as dinâmicas e tendências alimentares levam empresas e sociedade a repensarem o consumo, a produção e o comércio, ele justificou o que leva as pessoas a ingerirem alimentos orgânicos. "Há a percepção de que, ao consumir esse produto, pode se estar contribuindo para um mundo melhor."

Seminário de Carnes

A programação da Jornada Técnica do Setor Alimentício 2018 - AlimentaAçãoRS - encerra-se hoje, com o Seminário de Carnes. Inicia-se às 8h, com um painel sobre biossegurança na cadeia produtiva da carne, com o médico veterinário Marcos Antônio Dai Pra.

Em seguida, ocorre uma das principais palestras do seminário, sobre o Sistema Brasileiro de Inspeção de Produtos de Origem Animal, e terá a participação do coordenador do Sistema de Inspeção Municipal (SIM) de Santana do Livramento, médico veterinário Ariel Lima; coordenador adjunto da Coordenadoria de Inspeção de Produtos de Origem Animal (Cispoa), médico veterinário Diego Faccin; e auditora fiscal do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), médica veterinária Beatris Kuchenbecker.

Às 12h45min, ocorre o debate sobre inovações nos procedimentos de inspeção de produtos de origem animal, com a presença da auditora fiscal federal agropecuária do Mapa, Ângela de Faria Maraschin; doutor em Epidemiologia pela Ufrgs, Eduardo Costa; e a médica veterinária Jalusa Deon Kich, pesquisadora da Embrapa Suínos e Aves.

Às 14h15min, serão debatidas as tendências da indústria de proteína animal, com o médico veterinário Luis Fernando Laranja, diretor da Kaeté Investimentos. A programação encerra-se com um painel sobre sistemas de coleta de dados de produção para análise de performance, rendimento e rastreabilidade, apresentado por Jailson Mendes, da área de ciência da computação. Às 16h30min, ocorre visita ao Tecnovates - Centro Tecnológico do Vale do Taquari.

Confira o vídeo:

Comentários

VEJA TAMBÉM...