Colunistas

O fim de uma era

Em 2011 já havia escrito com todas as letras, que Lula preenche todos os critérios para transtorno de personalidade antissocial.


"O comunismo é uma espécie de alfaiate que quando a roupa não fica boa faz alterações no cliente."
Millôr Fernandes

Não me surpreende o resultado dessa semana no TRF-4. A reafirmação da condenação de Lula e ainda por cima o aumento de sua pena era esperado por quem realmente leu a sentença do juiz Sérgio Moro e o trabalho do Ministério Público paranaense.

Os fatos e testemunhos não deixam dúvida sobre o comportamento do ex-presidente.

Em 2011 já havia escrito com todas as letras, que Lula preenche todos os critérios para transtorno de personalidade antissocial.

Portanto para ele infringir a lei e mentir não são novidade.

A novidade é que de lá para cá uma parte muito maior da sociedade percebeu os riscos desse comportamento e passou a se opor a Lula e seu partido.

Outra novidade é que o Judiciário brasileiro, ou pelo menos parte dele, saiu de sua habitual apatia e começou a entender os riscos para a nação que a corrupção causa.

Tal mudança permitiu prender e punir empresários bilionários, executivos desses mesmos bilionários e finalmente políticos de alto escalão como deputados federais, senadores e ministros, não só do PT, mas de quase todos os grandes partidos.

Infringir a lei e mentir parecia ser a regra em Brasília.

E obviamente que a ação da Justiça Federal provocou reações e indignação, não na população que paga impostos escorchantes, mas sim nos políticos e empresários que sempre se beneficiaram desses esquemas.
Seria estafante listar aqui todos os políticos brasileiros já indiciados ou que estão sendo investigados, mas sem sombra de dúvida que Lula é o maior de todos eles.

Afinal, seu carisma e discurso aprisionaram muitos corações e mentes, alguns até de maneira irrecuperável a julgar pelos últimos acontecimentos.

Com isso se criou o Lula mito: o abnegado presidente dos pobres sempre perseguido pelas elites.

Mas cada vez mais essa figura mítica é desconstruída pela figura real: aquele que participou de negociatas, que recebeu propinas, que aliou-se a quem sempre jurou combater e mentiu para o povo.

O que restou do Partido dos Trabalhadores resolveu ir atrás da figura mítica e não da real. E para isso não parecem se importar em destruir o Judiciário brasileiro, separar o país em dois e criar uma versão fantasiosa da história recente do país.

Essas pessoas estão em surto, incapazes de enxergar além do seu objeto de culto e Lula, flagrado e desmascarado, não parece se importar em destruir o país que tanto amor lhe deu.


Marcos Frank

Comentários

VEJA TAMBÉM...